Paraíba registra 56 ataques a bancos no 1º semestre de 2016, diz sindicato

​Explosões preocupam mais porque causam danos maiores, diz Secretário (Foto: Anne Costa/TV Paraíba)

A Paraíba registrou 56 ocorrências de violência contra bancos no primeiro semestre de 2016, segundo balanço realizado pelo Sindicato dos Bancários da Paraíba. Entre os casos, houve 32 explosões, 16 arrombamentos, três assaltos, três tentativas e duas saidinhas de banco.

De acordo com o Secretário de Estado de Segurança e Defesa Social (Seds), Cláudio Lima, a maior preocupação do governo é com as explosões, tendo em vista que causam danos maiores para as agências e para a população. No entanto, ele contesta o investimento em segurança de alguns bancos. “A situação é grave, reconhecemos, mas é necessário uma operação de inteligência da polícia e dos bancos”, ressalta o secretário, citando a implantação de um monitoramento das câmeras de segurança das agências.

Ainda conforme Cláudio Lima, é preciso conversar individualmente com os bancos e Ministério Público para depois dar uma resposta mais clara para a população sobre a situação. Além disso, o secretário explicou que a Seds está em parceria com o estado de Alagoas e a cidade de Natal, para unir reforços em combate às ocorrências.

O secretário geral do Sindicato dos Bancários, Paulo Sérgio, avaliou os números de maneira negativa e também alerta para a falta de uma segurança mais rígida nas agências bancárias e nos caixas eletrônicos do estado. “Os números mostram que está acontecendo cada vez mais ousadia na prática dos crimes. Falta investimento por parte dos bancos, que mesmo em época de crise têm uma lucratividade muito alta”, comentou.

O que o Sindicato dos Bancários tem feito, de acordo com Paulo Sérgio, é denunciar às autoridades a falta de segurança dentro das agências. Além disso, ressalta que falta investimento por parte do setor público nessa mesma área. “Nós temos cobrado, temos feito as audiências públicas e solicitado mudanças junto às superintendências dos bancos. É isso que está ao nosso alcance”, frisou.

Cláudio Lima concorda que os anos de 2015 e 2016 registraram números preocupantes, mas diz que o Estado sozinho não pode resolver. “Se for feita uma análise bem meticulosa, os bancos estão cada vez mais expandidos, com extensão para a agência dos Correios, por exemplo. Isso inclui preocupação patrimonial”, ressaltou.

Bancos devem ter um plano de segurança de acordo com lei federal prevê (Foto: Walter Paparazzo/G1)

Segurança nos bancos é Lei Federal
Os bancos devem seguir a Lei Federal nº 7.102/83 e sua regulamentação. De acordo com a Federação Brasileira de Bancos (Frebraban), nos termos dessa legislação, todos os estabelecimentos bancários, incluindo agências e postos de atendimento, são obrigados a submeter à Polícia Federal um plano de segurança para que possam funcionar. No entanto, para o secretário geral do Sindicato dos Bancários, Paulo Sérgio, não é isso que está acontecendo. “O bancário trabalha com medo e a população também está assutada”, frisou.

A Frebraban informa que tem acompanhado todos os ataques a caixas eletrônicos com extrema preocupação. A entidade destaca que os danos das explosões forçam as instituições financeiras a reformarem o local e a repor os equipamentos danificados, sem reaproveitamento de peças ou maquinário. Esse prejuízo não é somente da rede bancária, mas de toda a população. Ainda de acordo com a Frebraban o investimento na segurança dos bancos é na ordem de R$ 9 bilhões.

Para a entidade, é necessário combater as causas desses crimes impedindo que os bandidos tenham acesso fácil a explosivos; desorganizando as quadrilhas, o que se faz com ações de inteligência; e dificultando o acesso dos bandidos ao produto do crime.

Para o secretário geral do Sindicato dos Bancários, essas ações, que remetem a uma falta de segurança, “prejudica a economia da cidade, já que em alguns municípios as pessoas precisam se deslocar para agências de cidades vizinhas”.

Estatística anteriores
Os ataques a bancos têm sido frequentes desde 2012, inicialmente com um número mais expressivo de explosões. Em relação ao primeiro semestre, em 2013 foram 85 casos e em 2014 baixou para 65. No ano de 2015, os números aumentaram novamente para 77 ocorrências. E voltou a diminuir em 2016, com 56 casos.

G1PB

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s