‘Sofro bullying virtual, me chamam de sapatão’, afirma Rebeca Gusmão


​Logo que sentei para conversar com a agora loira Rebeca Gusmão em uma tarde fria e chuvosa em Brasília, ela sacou um iPhone da bolsa. No restaurante em que almoçávamos, mostrou para mim, orgulhosa, uma foto em que aparecia vestida de maiô e touca ao lado da irmã mais velha, na beira de uma piscina. O semblante sério da pequena nadadora, então com 9 anos, revela muito sobre sua relação com o esporte: desde a mais tenra idade, foi treinada para vencer.

Rebeca começou a nadar profissionalmente aos 12 anos em um clube de Brasília, cidade onde nasceu. Depois de apenas três meses de treino puxado, tornou-se a melhor do mundo em sua categoria e conquistou a primeira medalha de ouro, em um campeonato na África do Sul. “Foi uma surpresa”, disse durante a conversa. “Essa medalha estava prevista para vir após três ou quatro anos de treinos.”

Passada a estreia arrebatadora, começou a quebrar os próprios recordes numa escalada incessante e rapidamente tornou-se o maior nome feminino da natação brasileira e a primeira mulher com chances reais de ganhar um ouro em Olimpíadas na modalidade.

Em dez anos de carreira, diz que ganhou mais de 1.500 medalhas. Entram nessa conta as quatro obtidas nos Jogos Pan-americanos do Rio de Janeiro, em 2007. Mas esses títulos foram retirados dela depois que exames deram positivo para uso de anabolizantes e esteroides – resultado que ela contesta até hoje. Naquele momento, Rebeca, com 22 anos, viu sua carreira ruir. Foi suspensa pela Federação Internacional de Natação e nunca mais pôde competir em piscinas. Em 2009, foi proibida de praticar qualquer tipo de esporte profissionalmente pela Corte de Arbitragem do Esporte – na época, jogava futebol em um clube de Brasília.

sas.png

Sem saber o que fazer da vida, saiu candidata a deputada distrital pelo PCdoB em 2010. Sua votação foi irrisória – teve apenas 437 votos. Arrumou, então, um emprego na Secretaria de Esportes do Distrito Federal, onde deu expediente até meados de setembro. Pediu demissão quando boatos de que participaria do reality show "A Fazenda", da TV Record, começaram a circular. Não foi escalada para a formação inicial do programa. Agora, dedica-se às carreiras de modelo fitness e palestrante motivacional.

Longe das piscinas, Rebeca começou a descontar as frustrações na comida. Em três anos, engordou 30 quilos. Sua saúde mental piorou ainda mais em 2013, quando o marido deu fim ao casamento de seis anos. Em agosto do ano passado, entrou em coma por ter ingerido antidepressivos misturados com bebidas alcoólicas. O episódio foi o ponto de virada para a assombrosa recuperação, detalhada por ela – em meio a outros escândalos – na entrevista a seguir.

Ela conta ainda que sua sexualidade é motivo de ataques: "É muito triste julgarem pela aparência. Isso é coisa de gente covarde, invejosa. No esporte, quando desconfiam da sua identidade sexual, te obrigam a fazer um exame de feminilidade. Felizmente nunca fui chamada para fazer um desses. Já fiz milhões de controles de doping, mas de feminilidade, nunca. E até hoje sou vítima de bullying virtual: me chamam de sapatão, dizem que sou homem, que pareço o Hulk, que se eu for para a cama com um cara eu que vou comê-lo. Essas pessoas têm que procurar ajuda. Quem perde tempo e energia com esse tipo de coisa?".

Fonte: Com informações do Ego

10610883_861390187228742_1077502291507985473_n.jpg?oh=f9b337f37aad0189bae8550e5aa9f660&oe=5470831E&__gda__=1416669793_79d2f7924b7f72bd206a34af4025da63

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s